EM DEUS VOCÊ PODE CONFIAR!

O tema da confiança em Deus é um grande desafio, pois, trata do cumprimento do primeiro dos 10 mandamentos ou 10 palavras, (conforme Êxodo 20.1: “Então falou Deus estas palavras). Confiar é render-se a alguém que se mostrou digno desta nossa entrega! Com a perspectiva de que Deus é o único em quem vale a pena confiar, inicia-se a sequência das 10 palavras/mandamentos: “Eu sou o Senhor seu Deus, que o libertou da terra do Egito, onde você era escravo.” Êxodo 20.2. Ou seja, antes de demandar, pedir ou orientar algo, Deus afirma não apenas ser o Senhor nosso Deus, mas, inclusive resgata sua ação no passado em prol do seu povo: a libertação do Egito. Portanto, entendemos que a introdução aos mandamentos já é um convite a uma rendição em toda confiança a Deus! Há razão suficiente no próprio versículo 2 para você querer se entregar a ele de todo o coração: ele é o grande “Eu sou”, o Deus que não tem nome, nem forma, pois, qualquer classificação de Deus seria uma imensa redução do que ele é. E, mesmo sendo o grande soberano, criador de tudo, também é Deus presente em meio a situação de seu povo, pois, ouviu seu clamor e os libertou da escravidão! 

 

PRA INÍCIO DE CONVERSA:

  • A relação do contexto dos hebreus serem libertos do Egito, com o povo de Deus da nova aliança a partir de Jesus é a seguinte: nós somos/éramos escravos do pecado e Cristo nos libertou a partir do seu perdão! DIALOGUE: apesar de todo cristão continuar sendo imperfeito, de fato o pecado não mais lhe define, pois você foi resgatado por Cristo? Ou você ainda se sente escravo do pecado?
  • Em que situação de forma concreta na sua história você percebeu que Deus se importou, ouviu sua oração e entrou na sua vida, promovendo um novo momento? 

 

A proposta para este encontro está em nos motivarmos para uma relação de confiança no Senhor nosso Deus! Somente a partir da confiança renovada é que teremos interesse genuíno em sabermos as orientações que o Senhor tem para nossa vida!

CONTEXTO BÍBLICO: O texto no qual nos baseamos aqui, Êxodo 20.1-6, é parte introdutória de um dos grandes momentos da história do povo de Israel. Após sua libertação do Egito, Êxodo capítulos 12-14, o povo de Deus inicia sua longa caminhada rumo à terra prometida. Já eram um povo, resultado da promessa de Deus a Abraão, Gênesis 12. Mas, ainda faltava a terra prometida e também as orientações de como se viver como povo de Deus, os mandamentos, Êxodo 20 e Deuteronômio 5, bem como as demais leis civis que este povo recebeu do Senhor Deus e que encontramos no restante do Pentateuco (cinco primeiros livros da Bíblia).

Já o início da jornada não foi fácil: perseguição dos egípcios e travessia do mar vermelho (ou mar de juncos), Êxodo 14, falta de água e subsequente solução dada por Deus, Êxodo 15.22ss, fome e o saciar desta por parte de Deus, Êxodo 16. Ou seja, o contexto de entrega dos mandamentos ao povo hebreu, não é um mérito do povo. Antes sim, um estar numa caminhada que Deus iniciou a partir da liberdade por ele promulgada! Caminhada que se segue não a partir de um sucesso do povo, mas, pela fidelidade e sustento do Senhor. Mas, já no início desta longa aventura rumo à terra prometida, o povo não demonstra confiança diante das adversidades, antes reclama por desconfiar de que Deus teria o melhor. Qualquer semelhança com o povo cristão hoje, seria mera coincidência? 

Portanto, este texto se aplica a nós, pois também estamos numa caminhada com o mesmo Senhor que ainda hoje liberta do que nos aprisiona! Mas, o libertar de Deus é sempre um convite para confiarmos nele!

CONFIANÇA – UMA QUESTÃO DE PERSPECTIVA!

Ter Deus como prioridade, por vezes não aparenta valer a pena, principalmente na perspectiva dos não cristãos! Na sua explicação ao primeiro mandamento, Lutero não foge dessa delicada questão: de fato, não cristãos por vezes consideram a confiança em Deus ingênua e sem muito proveito para o presente! Para eles, confiar no dinheiro, por exemplo, é muito mais concreto. Pois em alguns casos, enquanto os crentes no Senhor passam por aflições e apertos, os que servem ao dinheiro, têm poder, estima, honra, bens e segurança – lembrando que esta é a perspectiva dos não cristãos!

Mas, qual o seu ponto de vista? Vale a pena confiar no Senhor acima de tudo? 

Diante desta questão, o reformador não se deixa enganar: não apenas ele, mas a própria bíblia nos convida a uma perspectiva que vai muito além do que o momento presente: 

“Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração..” Mateus 6:19-21

NÃO SE DEIXE LEVAR PELA  APARÊNCIA!

Portanto, depositar sua confiança no que é visível, palpável, seja qualquer coisa ou pessoa que não o eterno Deus, não passa de uma falsa aparência! Pois, mais dia menos dia tudo que não é Deus, e depositamos nossa confiança, ruirá! 

“Deixa simplesmente para o diabo e o mundo isso de te enganarem com sua aparência, que deveras permanece por algum tempo, mas, afinal termina em nada.” Martinho Lutero, Os Catecismos, explicação do apêndice ao primeiro mandamento.

 

QUAL A PERSPECTIVA ADEQUADA?

Neste caso, deveria me desfazer dos bens? Viver sem me ocupar com sustento e dinheiro?

Logicamente que não! Pois, ocupar-se é diferente do que render-se e depender do que temos e alcançamos na vida! 

Portanto, nós, que cremos e confiamos ou buscamos esta confiança no Senhor, enxergamos que todo o bem procede unicamente dele:

“As criaturas são apenas a mão o canal e o meio através de que Deus tudo concede, assim como dá seios e leite à mãe para dá-los à criança, e dá grãos e toda espécie de frutos da terra para alimentação. Criatura nenhuma pode produzir, por si mesma, um só que seja desses bens… razão porque também não se rejeitarão esses meios de receber bens através das criaturas…” Martinho Lutero, Os Catecismos, primeiro mandamento.

CONFIAR E ASSUMIR RESPONSABILIDADES!

Para evitar uma compreensão errônea que possa brotar do ensino sobre a confiança exclusiva em Deus, ensino central do primeiro mandamento, Lutero explica que Deus não está pedindo que cruzemos os braços na vida e confiemos no Senhor sem nada fazer. 

Como podemos cumprir nosso papel? 

Usando de todos os bens que Deus nos concede “como o sapateiro faz uso da agulha, sovela e fio para o trabalho, pondo-os de lado em seguida, ou como o hóspede se vale de hospedaria, alimentação e cama apenas para necessidade temporária. Assim proceda cada qual em seu estado, segundo a ordem de Deus, e não permita lhe seja alguma dessas coisas senhor ou ídolo.” Martinho Lutero, Os Catecismos, Primeiro Mandamento.

DIÁLOGO

  • Como lidar com bens e dinheiro, não confiando neles, mas, dependendo do Senhor?
  • Qual sua tentação? Sua ameaça de ídolo? Do que largar para apegar-se ao Senhor? 

LEMBRE-SE

“Aquilo, pois, a que prendes o coração e te confias, isso, digo, é propriamente o teu Deus.” Martinho Lutero, Catecismo maior

CONFIAR EM MEIO À DOR:

Diante do que vimos, há uma possível reação: como prender meu coração a Deus, se tenho vivido mais dificuldades do que sucessos? Se meus dias são mais marcados por lágrimas do que por sorrisos? 

RENOVANDO MINHA CONFIANÇA NO SENHOR!

Confiando na dor: “Jesus pediu que Aba, o Pai, afastasse dele o cálice… qual meu cálice? Que aspecto de sua vida torna difícil para você confiar em Deus?… Sofreu alguma perda? … A morte de um sonho? A perda de um negócio? A perda de alguma capacidade física?… nosso cálice geralmente é aquilo que nos torna difícil acreditar que Deus é bom.” O maravilhos e bom Deus, James B.Smith, p.81,82. 

Na sequência lógica podemos nos questionar: Como Jesus pôde confiar em seu Pai, ali no Getsêmani, não querendo beber o cálice, no seu caso, caminhar para a cruz? Mas, mesmo sem ser sua vontade, Cristo aceita o cálice que o Pai lhe deixou e continua a confiar nele. Como isso é possível? 

UM AMOR CONHECIDO! “Jesus sabia que era amado por seu Pai, e por isso foi capaz de confiar nele em meio à dor. Jesus podia confiar em Deus em sua hora mais difícil porque ele tinha vivido muito próximo de seu maravilhoso e bom Pai por toda a vida. … Assim, quando me deparo com um mundo repleto de tsunamis e pedófilos, acidentes de avião e mães viciadas em drogas, não me obrigo a dizer que está tudo bem. Em vez disso posso dizer: Jesus confiou em seu Aba/Pai, e eu também confiarei no Deus que eu sei que é bom.” O maravilhoso e bom Deus, James B.Smith, p.82,83.

Nesse contexto Smith resgata uma disciplina espiritual, não como garantia de que tudo vai dar certo, ou de que confiarei sem mais problemas no Senhor. Mas, as disciplinas são por ele trazidas para a prática para nos ajudar a exercitarmos a confiança no Senhor! 

Uma dessas disciplinas é por ele intitulada “Contando suas bênçãos”! A motivação está na própria introdução aos mandamentos, como vimos em Êxodo 20.2: recontar o que Deus fez, perceber seu agir na própria história! Este princípio sempre fez muita diferença ao povo de Israel, em que desde pequenas as crianças são ensinadas a expressarem sua fé contando o agir de Deus na história de seu povo (cf. Deuteronômio 6). Se aplicado às nossas vidas, e ao agir de Deus na nossa história, com certeza nos auxiliará a mudar nossa perspectiva de Deus, nos promovendo mais confiança! 

CONTANDO AS BÊNÇÃOS: faça uma lista  de todas as coisas que tornam sua vida, seu dia maravilhoso. É um convite para você observar os detalhes, aquilo que geralmente ignoramos! 

Crie esta lista por escrito ou num arquivo no celular, comece aos poucos, 10 ítens são suficientes e vá aumentando aos poucos. 

Mas, seja específico, por exemplo: não agradeça o alimento, o que fez seu almoço ser bom? Foi um tempero que você gosta? Um prato? 

Inclua na lista aspectos da criação que você gosta, coisas que você aprecia, como chá/café/açaí/um livro que você leu. Escreva o nome de pessoas que você ama, oportunidades, provisão material, emocional e relacional. Mas, também inclua o que Deus tem feito na sua vida! 

É um exercício que nos remete a vários textos bíblicos como: “Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças,1 Timóteo 4:4.” 

O objetivo: nos fazer perceber que Deus nos presenteia diariamente com muito mais dádivas do que nos damos conta! Geralmente acordamos e lembramos primeiro ou dos problemas, ou das responsabilidades do dia. Olhar a lista diariamente e acrescentar itens na medida em que vão surgindo, mudará o nosso foco! Reduzirá a reclamação e fortalecerá a gratidão como consequência! 

Faça da sua lista uma “lista de lembranças para louvar a Deus”!

Mais do que um hábito, o objetivo para os cristãos é de que a gratidão e o louvor torne-se um estilo de vida! 

Praticando esta disciplina ou outras iniciativas que focam que toda boa dádiva procede de Deus, sua perspectiva da vida irá mudando: você tende a enxergar a vida mais como dádiva de Deus, do que como resultado de suas conquistas! Pode tornar seu viver mais leve!

 

Mais informações sobre esta disciplina espiritual e também outros exercícios de espiritualidade no recomendado livro: O maravilhoso e bom Deus, James Bryan Smith, p.89-92, ed. Vida.

DESAFIO

Se você está lendo este material no seu Pequeno Grupo, por que não se desafiarem mutuamente? Importante é compartilhar o desafio no próximo encontro.

Caso você esteja lendo sozinho este material de apoio dos nossos cultos, comece agora mesmo a lista e compartilha com uma pessoa próxima sua experiência!

DEUS ABENÇOE SUA DECISÃO DE CONFIAR CADA DIA MAIS NELE!

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *