Em busca de um sentido

O tão debatido livro do Eclesiastes… Qual seu valor? Não é de estranhar que o livro foi questionado, uma vez que ele questiona tudo “debaixo do sol”, ou seja, questiona a perspectiva humana da vida!  

 

Ed René Kivitz nos provoca, chamando-o de “O livro mais mal-humorado da bíblia”!

 

Para Norberth Lohfink, professor do Antigo Testamento, o Eclesiastes é  “o mais claro ponto de encontro de Israel com a filosofia grega dentro da Bíblia”. Este caráter filosófico, que nos convida à busca pelo sentido da vida, acaba tendo também seu aspecto libertador: nós, povo de Deus, podemos nos questionar, e nos questionamos, pelo sentido da vida. Portanto, o autor é um “bom observador da vida”. E do alto dos seus anos, nos convida à reflexão:

 

As palavras do Mestre, filho de Davi, rei em Jerusalém:

“Que grande inutilidade! “, diz o Mestre. “Que grande inutilidade! Nada faz sentido! ”

O que o homem ganha com todo o seu trabalho em que tanto se esforça debaixo do sol?

Eclesiastes 1:1-3

NADA DE NOVO DEBAIXO DO SOL

 

Dizemos que estamos numa época de “rápidas transformações” na sociedade. Uma nova tecnologia adquirida hoje, amanhã já é ultrapassada. Apesar disto, o Eclesiastes nos diz:

 

O que foi tornará a ser, o que foi feito se fará novamente; não há nada novo debaixo do sol.

Haverá algo de que se possa dizer: “Veja! Isto é novo! “? Não! Já existiu há muito tempo; bem antes da nossa época.

Eclesiastes 1:9,10

 

Ou seja, aspectos externos podem mudar, o mundo pode evoluir, mas o ser humano, com suas buscas e necessidades, continuará sendo o mesmo! Praticamente uma afirmação de que “não há evolução”. Você concorda?

 

Ele também argumenta:

Gerações vêm e gerações vão, mas a terra permanece a mesma.

Ninguém se lembra dos que viveram na antigüidade, e aqueles que ainda virão tampouco serão lembrados pelos que vierem depois deles.

Eclesiastes 1:4,11

 

Ou seja, cada geração é como um bloco fechado em si mesmo! Raramente uma geração levará consigo o ensinamento da anterior, que dirá de gerações mais antigas? De forma simples, podemos entender que o autor afirma praticamente o mesmo que a expressão popular: Cada geração acaba dando por si mesmo “com os burros n’água!” Não adianta o pai dizer: “filho, não vai por ali, eu me dei mal, aprenda com seu pai!” Cada um quer fazer suas próprias experiências!

DIÁLOGO:

  • O que você poderia ter evitado, caso tivesse ouvido as gerações mais antigas?
  • Até que ponto você considera que pode ajudar novas gerações a evitar os mesmos erros pelos quais você já passou?

 

FALTA SENTIDO NISSO TUDO!

Tanto no fato de que dificilmente uma geração aprende com a outra, mas, também, diante das repetições da vida, observadas na própria natureza, não há sentido:

 

Tenho visto tudo o que é feito debaixo do sol; tudo é inútil, é correr atrás do vento!

Eclesiastes 1:14

 

Sendo um observador, percebe os diversos momentos que compõem a vida, apresentados em 3.1-8, poderiam caminhar para um momento de inspiração ou motivação, o autor conclui questionando:

O que ganha o trabalhador com todo o seu esforço?

Tenho visto o fardo que Deus impôs aos homens.

Eclesiastes 3:9,10

Aqui entendemos a brevidade e fugacidade da vida! Cada aspecto, até os bons, passam tão rapidamente, que a pergunta pelo sentido de tudo que vivenciamos, não consegue calar!

Por fim, é tido como fardo/aflição o ser humano estar destinado a viver momentos diferentes e investir sua vida em algumas atividades! Uma vez que tudo passa!

DIÁLOGO:

  • Você já passou por crises existenciais? Para onde você correu em busca de compreensão e auxílio?
  • E na atualidade, para onde você olha, quando tudo parece ter perdido o sentido?

 

HÁ SENTIDO! POIS, A VIDA É UMA DÁDIVA!

Entra em cena Eclesiastes 3.11:

Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.     Eclesiastes 3:11

Liçoes que temos neste verso:

  • as nossas tarefas, ações, resultados são passageiros. Não temos garantia! Já, o que Deus faz, é apropriado, permanece de acordo com sua determinação!
  • Diante do aspecto efêmero da vida, percebe-se o anseio pela eternidade, ou seja, de que as coisas boas permaneçam para sempre! Aqui entramos numa nova perspectiva da vida: se olharmos para o eterno, conseguimos receber resgatado o sentido na nossa existência.
  • No entanto, apesar disso, não entendemos tudo que Deus faz! Ou seja, ele continua sendo Deus soberano, e nós continuamos sendo apenas criaturas!

Mas, exatamente para nós que vivemos na perspectiva de Deus, o Eclesiastes convida:

Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive. Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus.

Eclesiastes 3:12,13

 

DIÁLOGO:

  • você consegue “curtir a vida” conforme sugerido, na presença de Deus?
  • Em quais aspectos da vida você gostaria de aproveitar mais?  

 

Percebam que a bíblia nos convida a desfrutar as coisas boas da vida, a não boicotar, nem proibir. Mas, esse “aproveitar a vida” ocorre sempre na perspectiva e presença de Deus!  

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *