Educando pelo Coração!

Educar com o objetivo de conectar corações de pais e filhos, foi a tese central das palestras sobre Educação e Correção. A família Tsukayama, que organiza o ministério “Família Desenho de Deus”, nos trouxe reflexões preciosas para pais e educadores.

 

 

DIÁLOGO INICIAL:

Como vários assuntos foram trabalhados a partir deste tema central, sugerimos iniciar o encontro pedindo que os participantes que puderam comparecer às palestras, compartilhassem:

– o que do ouvido já tentaram aplicar em seus lares;

– o que querem aplicar, mas consideram um grande desafio;

– aspectos que questionam ou que consideram inviáveis para seu contexto;

 

CORAÇÕES CONECTADOS

Estar conectado ao coração do filho, é sem dúvida, fundamental! Como já foi dito, o grande princípio apresentado por eles é de que tanto educação quanto correção devem acontecer vinculando os corações, ou seja, em que o filho sabe que a própria correção acontece por amor e para o melhor!

 

Observemos Hebreus 12.5 e 6:

“Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho.”  

 

Amor e disciplina andam juntos no cuidado do Deus Eterno com seus filhos! Leia também o livro de Provérbios 3.11,12. Essa relação entre o Pai celeste e seus filhos, quer ser exemplo para nortear também o relacionamento entre pais terrenos e seus filhos.

 

Leia Hebreus 12.7-11 e DIALOGUE:

  • Qual bom princípio da disciplina dos meus pais eu recordo?
  • Em quais momentos da minha vida percebi a disciplina do Senhor? (a partir de Hebreus 12. 8, todo filho do Senhor é disciplinado/educado/corrigido. Um meio de correção são situações pelas quais passamos na vida, verso 8.)
  • Levando em consideração Hebreus 12.11, o que devo mudar na educação dos meus filhos? Nossos corações estão conectados?

 

ESPOSA ENTRE FAMÍLIA E PROFISSÃO:

 

Recebemos a orientação, a partir de Deuteronômio 4 e 6, de que o Pai é responsável pela orientação de fé da família. Ouvimos também do nosso casal palestrante, que as prioridades da mulher devem ser os filhos e o Lar, ela pode ter atividades profissionais, para tal Elisabeth cita o exemplo da mulher de Provérbios 31, mas seriam aspectos sempre secundários.

Citamos abaixo uma visão que entende o trabalho da mulher como uma prioridade, sem deixar de priorizar os filhos. Segue o texto do escritor cristão Rubem Amorese, extraído do livro “Icabode”, num contexto em que o autor apresenta os desafios de ser cristão na atualidade, apesar do livro ser de 1998:

 

“Há certas realidades contra as quais não é possível – e quem sabe nem desejável – lutar. Uma delas é o fenômeno do TRABALHO FEMININO FORA do LAR. Ao que parece, é algo que veio para ficar e que tem produzido uma sociedade mais madura e equilibrada, pois a mulher se alforriou de uma escravidão milenar. Essa alforria tem mudado sua estrutura psicológica, sua sexualidade, sua visão do mundo e do homem. Independente, ela agora pode exigir satisfação, dignidade, liberdade, etc. Mas e AS CRIANÇAS? Vão para as creches, escolinhas ou ficam com alguma amiga ou babá contratada.

 

Já comentamos os efeitos dessa semiorfandade. No entanto, algumas linhas de solução podem ser pensadas.

  • A primeira poderia passar pela época em que a mulher entra no mercado de trabalho. Sabemos que nem sempre há a possibilidade de escolha, mas havendo, ela poderia aguardar a crianças chegar aos 5 ou 6 anos, quando boa parte de sua formação já está encaminhada.
  • Outra alternativa é que ela trabalhe meio expediente, ficando com a criança maior parte do tempo. Isso poderá exigir algum sacrifício profissional. Mas, pode ser feito, em muitos casos.
  • Uma terceira alternativa é que ambos os pais se cotizem no cuidado dos filhos. Se eles conseguissem empregos de 6 horas corridas, em horários alternados, as crianças sempre estariam com um deles, sem que a mulher tenha de sacrificar sua carreira. Isso é possível em muitas profissões, tais como bancários e profissionais liberais e algumas categorias de funcionamento público.
  • Com a modernidade, surge uma quarta alternativa: a do trabalho em casa. A pessoa presta diversos tipos de serviços no próprio lar, desde pareceres jurídicos, econômicos, auditoriais, de contabilidade, etc., até serviços de computação, ligando-se por modem ao escritório central. Isso sem falar no comércio e pequenas indústrias, que já podem obter alvarás em casas e apartamentos.
  • Uma última sugestão: quando nada mais deu certo, que a criança seja deixada em uma creche da Igreja. Quantas mães não gostariam do emprego de Joquebede, mãe de Moisés? Além de poderem cuidar de seus filhos, cuidariam dos filhos de suas irmãs. Seria uma verdadeira tia. Ali a criança poderia, de alguma forma, ser criada dentro de um imaginário e de valores mais ou menos uniformes e partilhados pelo grupo.”

 

Como observamos, o texto citado acima entende que a mulher pode priorizar, ao lado da família, também seu trabalho. É desafiador, mas Amorese sugere alguns exemplos. Relacione este texto com a proposta de família mais clássica, apresentada pelo casal Tsukayama, em que a profissão da mulher tende a não estar em evidência.

Lembremos apenas que os palestrantes Fabio e Elisabeth Tsukayama foram claros ao colocar que queriam transmitir princípios, não um modelo a ser seguido!

DIÁLOGO: conversem sobre os modelos citados nas palestras e descritos acima!

Qual modelo você aplica à sua casa? Por que?

 

CONCLUSÃO:

Não temos garantia nenhuma de que seguindo um dos modelos tudo vai dar certo. Acima de modelos, o que deve ser observado é o princípio do Antigo Testamento de se pastorear sua família. Interceda pedindo sabedoria ao Senhor, em como orientar seu Lar! E acima de tudo dependa do “Bom Pastor”!

 

MOMENTO DE INTERCESSÃO

  • PELO MINISTÉRIO FAMÍLIA DESENHO DE DEUS
  • PELA FAMÍLIA TSUKAYAMA (futura mudança para o Japão prevista para fim de 2017)
  • PELAS NOSSAS FAMÍLIAS, educação e correção dos filhos (espaço para demandas pessoais familiares serem compartilhadas).
print

2 thoughts on “Educando pelo Coração!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *